De Segunda a Sexta-feira: 09:00 às 21:00 e Sábado: 09:00 às 12:00
 
 
HOME
NOSSO ESTÚDIO
AULAS
MASSAGENS
TERAPIAS NATURAIS
HORÁRIOS
PROFISSIONAIS
BLOG
AGENDA
FALE CONOSCO
 
Ícone de menu
HOME
NOSSO ESTÚDIO
AULAS
MASSAGENS
TERAPIAS NATURAIS
HORÁRIOS
PROFISSIONAIS
BLOG
AGENDA
FALE CONOSCO
Lupa para pesquisa

Lugares Mágicos do Mundo - China

China: O impotente Dragão Asiático

Falar da milenar e belíssima República Popular da China - ou, simplesmente, China - é falar de uma república socialista que é repleta de muita história, disciplina e relevância para a humanidade. Conhecida por ser um dos países mais desenvolvidos do mundo, a China possui cerca de 1,38 bilhão de habitantes e um território que chega ao impressionante número de 9,6 milhões de km², distribuídos em 22 províncias, 5 regiões independentes, 4 cidades e 2 regiões administrativas especiais. Uau!

Pequim, montanhas e modernidade em contraste com o antigo

A capital chinesa é a dinâmica Pequim, cidade que abriga o antigo e o novo, seja na sua arquitetura tradicional, representada por vielas estreitas - também chamadas de hutongs, que conservam casas e construções seculares, ou através da evolução e tecnologia presentes no moderníssimo Pequim-Capital, o aeroporto internacional da cidade, famoso por ser um dos maiores do mundo em estrutura – são quase 1 milhão de km², e fluxo de passageiros – média de 90 milhões de passageiros por ano.

E, assim como o habitual paralelo entre o moderno e o antigo, a diversidade tange a paisagem chinesa. Com o amplo poderio territorial é possível mirar lindas montanhas, como a conhecida Cordilheira do Himalaia, onde localiza-se o Everest – a maior montanha do mundo, e também vislumbrar-se com os arranha-céus de Xangai, Hong Kong e Macau, esta última peculiar por influências lusitanas dadas no período colonial da China, levemente percebidas pela gastronomia e cultura regional. Sim, é uma cidade que pode lembrar, vagamente, um pouquinho do nosso país e cidades urbanas e de vidas noturnas, como São Paulo e o Rio de Janeiro.

Imagem de cidade de Guiyang na China

A Grande Muralha do Mundo

E o que dizer da Muralha da China? Considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo, ela começou a ser construída a mando de Qin Shi Huang – o primeiro monarca chinês, na época Imperial da China Antiga, em 215 a.C., com o objetivo de proteger a região dos ataques e invasões de inimigos e povos do Norte, tendo sua conclusão 20 séculos mais tarde, mais especificamente no século XV, já sob o crivo da Dinastia Ming.

Portando impressionantes 7.300 quilômetros de extensão e constituída não só pela estrutura que a nomeia como por altos portais e torres de vigilância, a Grande Muralha – como também é conhecida, detém o título de símbolo-mor da China, sendo visitada por turistas de todo o mundo que não abrem mão de desbravar e conhecer um pouquinho deste enorme pedaço de tradição e história que reina no coração do país há mais de 1500 anos.

Muita astúcia e descobertas

Além da cultura e do legado histórico incontestável, constando com uma das seis civilizações mais antigas do mundo, nossos amigos chineses também trouxeram valorosas invenções ao mundo, tais como: o compasso, a pólvora, a porcelana, o guarda-chuva, o papel, o sino, as pipas, o macarrão, o garfo, o carrinho-de-mão, o sismógrafo, a escova de dentes, o dominó, a tinta, o cardápio, o estribo, o papel higiênico, o ábaco, o paraquedas e a imprensa. Ufa! Quanta coisa!

A religião como bússola do tempo e da história

Na China você encontrará uma gama de religiões e crenças filosóficas que permeiam a cultura e o meio de vida dos habitantes em seus costumes e práticas em geral e durante séculos, mas há também uma corrente que é irreligiosa e dispensa categoricamente qualquer tipo de doutrina ou crença, um fato que cresceu logo depois da China tornar-se um país proposto a desconstruir antigos preceitos e abrir-se ao novo. Contudo, a predominância das religiões tradicionais é fortíssima, dando destaque ao Budismo, o Taoísmo, o Islamismo, o Confucionismo, o Catolicismo e o Cristianismo.

Para os chineses mais conservadores e religiosos é essencial que o contato com a religião faça parte de todas as escolhas e etapas da sua vida, e que tal premissa seja passada de geração para geração como forma de perpetuar o culto e a importância da fé, mesmo que em tempos tão extremos e carregados de mudanças.

Entretanto, ainda que a China seja reduto de grandes religiões, é importante lembrar que o país tem sido orquestrado por um regime socialista, o que desencadeiam limitações religiosas impostas pelo próprio governo local e que precisam ser cumpridas à risca para aqueles que são adeptos de religiões reconhecidas pelo mesmo.

Política das Antigas

E por falar em Governo, a República Popular da China é um dos seis Estados que se declaram, oficialmente, socialistas. Governada pelo PCC (Partido Comunista da China), o governo chinês não só aplica limitações religiosas dentro de sua república como também restrições na internet, em veículos de imprensa e até mesmo na prática de reuniões e eventos em clubes, parques, desfiles ou comícios, algo que foge bastante dos ideais socialistas e traz um alto teor de autoritarismo, intolerância e censura.

Economia de peso

Por outro lado, os laços econômicos entre o país e demais nações estão cada vez mais fortes, fator que fortalece sua economia em vários aspectos. A China tornou-se o maior produtor mundial de alimentos recentemente, principalmente pela sua forte atuação na pecuária suína, que detém a média de 513 milhões de suínos anualmente, e por sua atuação na produção de grãos, já que são 465 milhões de toneladas de grãos por ano, destacando a produção de milho e do nosso querido arroz.

Além da forte presença no setor alimentício, a China tem apoiado investimentos governamentais e tecnológicos, recebendo multinacionais reconhecidíssimas mundialmente e contando com o poder de sua infraestrutura favorecida e de seus altos índices de importação e exportação frente às grandes potências mundiais e nações desenvolvidas.

Medicina Tradicional Chinesa: Legado de Sabedoria e Energia

Também conhecida como Medicina Chinesa (em chinês: Zhõngyí xué ou Zhõngao xué), a Medicina Tradicional Chinesa é um conjunto de práticas e metodologias que foram desenvolvidas durante milhares de anos da história chinesa, surgindo às margens do Rio Amarelo, um dos principais afluentes do país, e considerada como uma das mais antigas formas de Medicina Oriental que o mundo já desenvolveu.

Trazendo consigo a proposta de que o homem é um intenso universo dentro do seu próprio ser e matéria, a medicina chinesa busca a sinergia entre corpo, espírito e mente por meio do equilíbrio interior, o reconhecimento das essenciais leis que regem o funcionamento do nosso organismo e posterior interação com o ambiente, aplicando esta filosofia no tratamento de doenças e também na manutenção da saúde. Ela acredita que o estudo da relação de yin/yang, a teoria dos cinco elementos e o sistema de circulação da energia pelos meridianos do corpo humano são bases essenciais para que ela seja promovida de forma adequada.

Apesar de parecer simples, o diagnóstico na Medicina Tradicional Chinesa é eficaz, trazendo observações pertinentes que englobam ouvir, cheirar, perguntar e tocar, mas destacando, inclusive, ponderações direcionadas à língua e ao exame de pulso, métodos que custam alguns anos até que o praticante da medicina chinesa domine por completo e com total segurança, assertividade e responsabilidade.

Mao Tsé-Tung e popularização da MTC

A Medicina Tradicional Chinesa cresceu através dos tempos, mas demorou para ganhar autoridade e ultrapassar as barreiras do território chinês. Tudo mudou quando Mao Tsé-Tung, já no século XX, levou o ensino da Medicina Chinesa ao nível universitário, promoveu a divulgação mais ampla da prática e seus métodos e construiu universidades e hospitais voltados exclusivamente para a aplicação, aprendizagem e disseminação dela.

Com a impulsão promovida pelo ditador, a MTC ganhou notoriedade para além das dependências da China, sobrevivendo às evoluções e inovações que não diminuem o seu poder, presença, efetividade e apreciação.

A Medicina Tradicional Chinesa Hoje

Atualmente, reconhecemos sete principais métodos de prática da Medicina Tradicional Chinesa. São eles: Tui Na - ou Tuiná, a Acupuntura, a Moxabustão, a Ventosaterapia, a Fitoterapia Chinesa, a Terapia Alimentar Chinesa - ou Dietoterapia Chinesa e Práticas Físicas diversas, como exercícios focados em meditação, respiração e circulação de energia, os quais podemos citar como exemplo o Chi Kung e o Tai Chi Chuan.

Grande em território, grande em história, grande em cultura e grande em sabedoria. Assim é a China, chamada por muitos de Dragão Asiático, o que se explica por ser uma nação forte, guerreira, destemida e extremamente corajosa e valente, características comuns ao mitológico ser e igualmente compartilhadas entre ambos.

“Há três coisas que jamais voltam: a flecha lançada, a palavra dita e a oportunidade perdida.”
Provérbio Chinês

Nós, do Essência Yoga, desejamos que o famoso provérbio chinês acima o acompanhe ao longo desta semana e o encaminhe para uma reflexão importante, que fará a diferença neste comecinho de mês e, esperamos, em todos os seguintes:

Lance as flechas certas e pelas razões certas; pense bem antes de falar e aproveite TODAS as oportunidades que o universo lhe trouxer para que você tenha uma vida mais feliz, equilibrada, saudável e serena.

Ou então, se você tiver a sorte conspirando a seu favor, aproveite ao máximo a oportunidade imperdível de ir conhecer de perto esta nação cheia de aprendizado, mistérios e valor: a IMPONENTE China. #Namastê – e carregue a China dentro de VOCÊ.


Gostou da matéria?

Compartilhe com seus amigos!


Essência Yoga | Yoga e Massoterapia © 2016 | Todos os direitos reservados
Alameda Araguaia, 762 - Shopping Flamingo
Lojas 21s e 22s – Piso Superior
Alphaville / Barueri - SP
CEP: 06400-000
Whatsapp