De Segunda a Sexta-feira: 09:00 às 21:00 e Sábado: 09:00 às 12:00
 
 
HOME
NOSSO ESTÚDIO
AULAS
MASSAGENS
TERAPIAS NATURAIS
HORÁRIOS
PROFISSIONAIS
BLOG
AGENDA
FALE CONOSCO
 
Ícone de menu
HOME
NOSSO ESTÚDIO
AULAS
MASSAGENS
TERAPIAS NATURAIS
HORÁRIOS
PROFISSIONAIS
BLOG
AGENDA
FALE CONOSCO
Lupa para pesquisa

Oito motivos para se tratar com as terapias naturais

Conheça neste artigo 8 (oito) motivos para se tratar com as Terapias Naturais e Medicinas Tradicionais.

1) Insatisfação com a medicina atual

Há algum tempo vem crescendo o interesse e a procura por tratamentos de saúde alternativos, como são chamados popularmente, que tenham base nas Terapias Naturais e Medicinas Tradicionais como acupuntura, massoterapia, fitoterapia, terapia floral, Yoga, meditação, Reiki, entre outros.

Isso ocorre porque o modelo biomédico de cuidado, que é muito necessário e eficiente em alguns aspectos, não têm dado conta de olhar o indivíduo de uma forma mais integrada e humanizada, o que resulta em tratamentos sintomáticos e fragmentados, onde cada profissional faz algo para uma parte específica do corpo, mas nunca conversam entre si.

Esta forma de conduzir os tratamentos pode levar à complicações decorrentes do uso contínuo ou da interação entre vários medicamentos utilizados ao mesmo tempo, o que pode causar reações adversas, resistência ou dependência aos medicamentos e prejuízo de outros órgãos. Tudo isso por não existir um olhar mais amplo e integrativo tanto sobre o indivíduo que está sendo tratado quanto sobre os processos de saúde e doença.

Tratamento com terapias naturais

2) Sustentabilidade com o próprio corpo

Um dos grandes problemas da medicina atual é a sua grande dependência em medicamentos e drogas que, no mínimo, prejudicam o fígado e o rim devido à sua metabolização e excreção, isso quando não possuem efeitos adversos específicos ou interação com outros medicamentos, que é algo muito comum principalmente na terceira idade.

As terapias naturais e as medicinas tradicionais possuem uma visão sustentável da saúde, sempre utilizando componentes e práticas que possuam efeitos colaterais mínimos ou nulos, como componentes da natureza, ou recursos do próprio corpo da pessoa, como a respiração ou movimentos físicos.

3) Tratamentos que priorizam a pessoa e seu reequilíbrio de forma total

As Terapias Naturais e as Medicinas Tradicionais, como a Medicina Tradicional Chinesa, a Indiana (Ayurveda) e o Xamanismo, possuem, de modo geral, uma visão mais ampla que os tratamentos médicos carecem, uma visão vitalista e complexa sobre o ser humano e os processos de saúde e doença. Essa visão vitalista considera que há um princípio vital auto organizado que rege a natureza interna e externa, organizando os processos de harmonia, reequilíbrio e saúde de todos os seres vivos. Sendo assim, não adianta tratar apenas das partes, mas também de todo o conjunto em si.

Por exemplo, quando se está com gastrite, não é o estomago que está doente, e sim a pessoa está doente. A gastrite irá influenciar muito além do estômago, mudando a rotina da pessoa, seus hábitos, postura, humor e muitos outros aspectos. Além disso, a gastrite não apareceu do nada, ela foi causada por algo, provavelmente por estresse crônico e/ou má alimentação ou outros fatores, que são resultados de como esta pessoa age e pensa no seu dia a dia, como ela reage ao mundo à sua volta.

Por isso os tratamentos embasados por essas práticas priorizam o reequilíbrio do organismo como um todo, integrando aspectos tanto físicos quanto mentais, emocionais, espirituais e ambientais, focando em ir mais a fundo, nos porquês do que o paciente relata, sempre respeitando suas limitações.

4) Eficácia comprovada das Terapias Naturais

A visão vitalista não é algo novo para a ciência. O meio acadêmico tem cada vez mais pesquisado os benefícios e eficácia destas terapias e de uma visão mais vitalista de saúde. Elas têm se mostrado tão eficazes que, desde 2002, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda e estimula a implementação e utilização destas práticas para tratamentos de saúde.

Já no Brasil, em 2006, o Ministério da Saúde aprovou a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), disponibilizando no Sistema Único de Saúde (SUS) atendimentos de Acupuntura, Homeopatia, Fitoterapia e Termalismo Social(Crenoterapia). Em 2017 a PNPIC foi expandida e agora são oferecidos no SUS também as práticas de Reiki, Meditação, Arteterapia, Yoga, Reflexoterapia, Musicoterapia e Quiropraxia.

5) Valorização da autonomia no tratamento

Tanto as medicinas tradicionais quanto as terapias naturais foram desenvolvidas a partir de um olhar onde a pessoa é responsável pela própria saúde. O terapeuta tem um papel de auxiliar as pessoas a alcançar a cura ou a melhora de sua saúde, seja física ou mental, ou seja, ele não detém todo o conhecimento sobre os processos de saúde e doença e não conduz tudo sozinho, e sim cria caminhos e possibilidades junto a quem está sendo tratado. Este tipo de conduta possibilita maior autonomia e individualidade, além de empoderar quem passa pelo processo terapêutico sobre o seu próprio corpo e sua saúde.

6) Abordagem humanizada e escuta acolhedora

Outro fator importante é que o terapeuta conduza sua prática de forma humanizada e acolhedora. Que converse de verdade com quem o está procurando, olhe nos olhos e entenda que as crenças, medos e desejos que cada pessoa possui são importantes e influenciam em todo o processo terapêutico, ou seja, que entenda que todas as pessoas são iguais em diversos aspectos, mas cada um tem detalhes e características únicas. Isto é essencial para que o indivíduo tenha autonomia no processo, já que impede um olhar desinteressado e generalista sobre as pessoas e seus processos.

7) Possibilidade de autoconhecimento e autocuidado

Todo esse olhar e forma de pensar e de agir diferente das terapias naturais e medicinais tradicionais resultam não só em uma simples melhora dos sintomas e até mesmo cura, mas também num processo de autoconhecimento.

Isso porque a partir do momento que o indivíduo tem autonomia dentro do processo terapêutico, a doença, desconforto ou condição que antes era algo maligno, se torna objeto de aprendizagem, algo que não está ali para lhe causar um mal, mas sim para que a pessoa possa aprender sobre si mesma, sobre seus hábitos, suas crenças, seus medos e suas limitações e possa superá-los.

Através disso a pessoa consegue realmente superar aquele processo, já que agora sabe como realmente sua mente e seu corpo se comportaram para gerar aquela condição e quais são os cuidados necessários para que isto não se repita.

8) Aumento do número de terapeutas naturais e da procura por especialização

Ao mesmo tempo que tem aumentado a procura por atendimentos com terapias naturais, também tem aumentado cada vez mais o número de terapeutas especializados em diversas terapias naturais, até mesmo entre profissionais da saúde já graduados, como médicos, enfermeiros e psicólogos, que têm feito cursos de especialização nesta área.

Além deles, há no Brasil a Naturologia, graduação da área da saúde que desenvolve profissionais que possuam este olhar vitalista, integrativo e complexo dos processos de saúde e doença.

O Naturólogo utiliza as terapias naturais e as medicinas tradicionais em seus tratamentos para reequilíbrio da saúde e bem-estar, sempre valorizando a autonomia e a individualidade para promover a qualidade de vida e saúde de cada indivíduo de forma única, humanizada e acolhedora.

Gostou? Aqui no Essência Yoga oferecemos atendimentos de Naturologia, no período da manhã, de segunda, terça e quinta-feira, das 9h às 13h; e no período da tarde e noite de segunda à sexta-feira, até às 20h.

Venha conhecer!

Autores:
Alan S. M. de Assis
Naturólogo

Stephany Nicolli D. Fonseca
Naturóloga formada pela Universidade Anhembi Morumbi





Compartilhe com seus amigos:


Essência Yoga | Yoga e Massoterapia © 2016 | Todos os direitos reservados
Desenvolvido por Linking Sites
Whatsapp